Bons Ventos: BNDES quer aprovar R$ 1,5bi em financiamentos de eólicas em 2011


SÃO PAULO (Reuters) – O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende aumentar o volume de aprovações de financiamentos para o setor de energia eólica no segundo semestre em relação primeiros seis meses do ano. Até agora, as aprovações totalizaram 790 milhões de reais.

‘Mas devemos aprovar, ao longo do ano, mais do que duas vezes este valor (…) Vamos aprovar mais de 1,5 bilhões de reais neste ano’, disse nesta sexta-feira à Reuters o chefe do Departamento de Energias Alternativas do banco, Antonio Carlos Tovar.

O aumento mais expressivo da aprovação de financiamentos para o setor eólico pelo BNDES ocorreu a partir de 2009. Nesse ano, as aprovações de financiamentos para usinas eólicas somaram 1,17 bilhão de reais, ante 260 milhões de reais em 2008. No ano passado, foram 1,24 bilhão de reais aprovados para este segmento.

A energia eólica é a líder em aprovações de financiamentos no BNDES entre as fontes renováveis de energia. ‘A nossa carteira é muito decorrente do leilão’, disse Tovar ao lembrar que as eólicas têm sido as grandes vencedoras dos últimos certames de energia no mercado regulado.

Entretanto, Tovar lembra que a demanda por financiamentos de térmicas a gás também pode aumentar, dependendo do desempenho destas no próximo leilão A-3, de agosto.

Neste ano, o BNDES ainda aprovou 200 milhões de reais em financiamento para o setor termelétrico e possui outros 600 milhões em projetos sendo analisados na carteira.

Já o segmento de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) tem 200 milhões em projetos aprovados no ano e outros 500 milhões em análise.

(Por Anna Flávia Rochas)

http://dinheiro.br.msn.com/bndes-quer-aprovar-rdollar-15bi-em-financiamentos-de-e%C3%B3licas-em-2011-2

Mulheres na Ciência 2011 anuncia vencedoras

Sete pesquisadoras brasileiras ganham prêmio promovido pela L’Oréal em parceria com a Unesco e ABC.

Duas delas tiveram bolsa da FAPESP na pós-graduação

Agência FAPESP – Foram anunciadas as pesquisadoras brasileiras vencedoras do prêmio L’Oréal/Unesco/ABC para Mulheres na Ciência 2011. Elas receberão bolsa-auxílio, em reais, no valor equivalente a US$ 20 mil para ajudar no desenvolvimento de seus projetos de pesquisa.

O anúncio foi feito pelo júri do prêmio, que é coordenado pelo presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Jacob Palis. A cerimônia de entrega do prêmio será em 28 de setembro, no Rio de Janeiro.

As vencedoras são: Ana Luiza Cardoso Pereira, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Daniella Bonaventura e Viviane Ribeiro Tomaz da Silva, da Universidade Federal de Minas Gerais; Josimari Melo de Santana, da Universidade Federal de Sergipe; Mariana Antunes Vieira, da Universidade Federal de Pelotas; Rubiana Mara Mainardes, da Universidade Federal do Centro-Oeste; e Tatiana Barrichello, da Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Pereira, da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, foi a escolhida na área de Ciências Físicas por seu projeto “Propriedades eletrônicas e efeitos de desordem em mono e em multicamadas de grafeno”. A pesquisadora realizou mestrado e pós-doutorado, com Bolsa da FAPESP, no Instituto de Física Gleb Wataghin da Unicamp.

Mainardes foi laureada pelo projeto “Desenvolvimento tecnológico e avaliação da eficácia e toxicidade de sistemas nanoestruturados poliméricos contendo anfoterecina B”. A pesquisadora também realizou doutorado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Araraquara, com Bolsa da FAPESP.

De acordo com os promotores do evento, desde 2006, a cada ano, sete jovens cientistas são escolhidas pela qualidade e pelo potencial de suas pesquisas desenvolvidas em instituições brasileiras.

No total, 40 cientistas já foram beneficiadas pelo prêmio, que, por meio do auxílio financeiro, podem dar continuidade aos seus projetos e se beneficiar com a visibilidade que o prêmio lhes traz.

LINK ORIGINAL:

http://agencia.fapesp.br/14254

Independentemente do vídeo ser muito legal, difícil acreditar de que se trata de uma montagem

Este encontro (digital) entre Elvis e Martina, tem 40 anos de diferença no tempo de cada artista. Ele morreu em 77 … ela nasceu em 66… Elvis estava em 1968 e Martina em 2008. É montagem mesmo, e quem a fez é fera!
Veja e tire sua conclusão.